• +55 (16) 3946-3826 / (16) 3511-5500
  • addn@addn.com.br
  • Seg - Sex: 07:00 - 17:00 e (Plantão 24 horas)
Imagem retirada de https://ogimg.infoglobo.com.br/in/19174958-209-dbb/FT1086A/420/xhenrique-meirelles.jpg.pagespeed.ic.b2nWZjv5hc.j
Imagem retirada de https://ogimg.infoglobo.com.br/in/19174958-209-dbb/FT1086A/420/xhenrique-meirelles.jpg.pagespeed.ic.b2nWZjv5hc.j

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira, 26, que a queda da inflação permite a redução da taxa básica de juros e o aumento do poder de compra da população. Mesmo a inflação de serviços, de acordo com o ministro, já está em trajetória descendente.

"Durante um tempo tivemos resistência na inflação de serviços, mas agora ela já está caindo", afirmou o ministro, em discurso durante o 89.º Encontro Nacional da Indústria da Construção. "Já estamos verificando um aumento do poder de compra de cerca de 3% no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior."

Meirelles disse ainda que os indicadores mostram que as empresas e das famílias estão pagando suas dívidas e reduzindo seu grau de alavancagem. De acordo com ele, a partir de 2011, houve um aumento do nível do endividamento das empresas e famílias, mas isso se interrompeu no meio de 2016.

Segundo o ministro, esse processo contribuiu para atrasar a retomada do crescimento econômico. "Agora não, a economia já está em retomada", afirmou.

Meirelles disse também que as despesas primárias do governo, que vinham crescendo de forma constante desde 2012, atingiram um pico de 19,8% do PIB no ano passado. "Agora estão começando a cair, como resultado da aprovação do teto de gastos e de medidas de contenção de despesas que estamos tomando", afirmou. "Isso é algo da maior importância."

O ministro destacou que a projeção é que as despesas primárias atinjam 18,9% do PIB neste ano, 17,8% em 2020 e 15% em 2017. "Isso abre espaço para o crescimento do setor privado, que já começa a crescer", afirmou.

Planejar ações
O ministro da Fazenda disse que a economia brasileira já retomou uma trajetória de crescimento econômico. "É muito importante hoje nós nos atermos ao que está acontecendo na economia e, em função disso, conversarmos e planejarmos nossas ações", afirmou.

Ele mencionou indicadores como o IBC-BR, segundo o qual já há um crescimento "fortemente positivo" no primeiro trimestre deste ano comparativamente ao último trimestre de 2016. "É importante analisarmos e vermos a trajetória de retomada da economia brasileira, principalmente do fim do ano passado para cá."

Reformas
Segundo Meirelles, com reformas, como a trabalhista e da Previdência e ações microeconômicas, o PIB potencial pode passar de 2,3% para cerca de 3,7% nos próximos 10 anos. "Podemos aumentar (o PIB potencial) chegando a 3,5%, a 4% e entrar em rota robusta para próximos anos", afirmou.

Em 2018, o ministro disse que a economia brasileira pode crescer acima de 2,3% porque há grande ociosidade.

Durante Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), do qual participou na manhã desta sexta-feira, o ministro reforçou que o governo está comprometido com a redução do papel do Estado na economia e que o País está em trajetória forte de recuperação. "A mensagem é que há grandes oportunidades de investimento no Brasil e economia está crescendo. Compete a todos continuar trabalhando para que país consiga consolidar trajetória de crescimento", concluiu.

Fonte: Udop, com informações do Estadão Conteúdo (texto extraído do portal Faesp Senar)

  • Telefone:
    +55 (16) 3946-3826 / (16) 3511-5500

  • Amadeu Bonato 43, Dist. Industrial, Sertãozinho, SP

Sobre

Desde 1993 atuando no ramo metalúrgico, a ADDN dispõe de corpo técnico do mais alto nível, que domina tecnologias de projeto e fabricação compatíveis com as exigências de mercados.