• +55 (16) 3946-3826 / (16) 3511-5500
  • addn@addn.com.br
  • Seg - Sex: 07:00 - 17:00 e (Plantão 24 horas)
Imagem retirada de https://image.slidesharecdn.com/fmiapresentacaow-150628230620-lva1-app6891/95/fmi-1-638.jpg?cb=1435532849
Imagem retirada de https://image.slidesharecdn.com/fmiapresentacaow-150628230620-lva1-app6891/95/fmi-1-638.jpg?cb=1435532849

Beneficiado pelo primeiro trimestre forte, o Brasil teve a projeção de crescimento revisada para cima pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Em relatório divulgado hoje (24), o órgão elevou, de 0,2% para 0,3%, a estimativa de expansão para o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) para 2017.

Para 2018, no entanto, o órgão reduziu a previsão de crescimento de 1,7% para 1,3%. Segundo o FMI, o aumento na instabilidade política atrasará a recuperação da economia.

"Em relação ao relatório de abril de 2017, a previsão de crescimento para o Brasil está agora mais alta em vista do primeiro trimestre forte, mas a contínua fraqueza na demanda doméstica e um aumento na incerteza política será refletido num ritmo mais fraco de recuperação e, portanto, em menor projeção para o crescimento em 2018", informou o FMI.

As projeções constam do relatório Perspectivas Econômicas Globais, documento divulgado a cada três meses pelo fundo. A estimativa para 2017 está em linha com as previsões de mercado. Segundo o Boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras, divulgada toda semana pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem expansão de 0,34% para este ano. No primeiro trimestre, o PIB cresceu 1% em relação na comparação com o quarto trimestre de 2016, puxado pela agropecuária.

As estimativas do FMI para 2018, no entanto, estão mais pessimistas que as do mercado financeiro. De acordo com a pesquisa do Banco Central, as instituições financeiras projetam expansão de 2% para o PIB no próximo ano.


Fonte: Udop, com informações da Agência Brasil (escrita por Wellton Máximo com edição de Fernando Fraga)

  • Telefone:
    +55 (16) 3946-3826 / (16) 3511-5500

  • Amadeu Bonato 43, Dist. Industrial, Sertãozinho, SP

Sobre

Desde 1993 atuando no ramo metalúrgico, a ADDN dispõe de corpo técnico do mais alto nível, que domina tecnologias de projeto e fabricação compatíveis com as exigências de mercados.